Abre Aspas / Música

Aprendendo a veranizar com Leo Fressato

A cena musical de Curitiba tem se mostrado rica, criativa e diversa. Conheça os amores e desamores da poesia intensa e dramatúrgica de Leo Fressato

* Por Meiri e Beatriz Farias

Leo Fressato tem muita sensibilidade para falar o que pensa: suas verdades são envoltas na poesia. Sua interpretação indica o caminho do significado que ela toma, mas chega nas pessoa de forma diferente, conforme o processo de identificação e ressignificação de cada um.

Crédito na imagem

O cantor nasceu em Brasília, mas ainda pequeno foi morar em Curitiba. É compositor desde os 14 anos e traz influências como Cazuza, Clube da Esquina e a banda Belle and Sebastian. Suas composições também podem ser ouvidas em versões de artistas como Alexandre Nero (Tan tan) e A banda mais bonita da cidade (Oração). A descrição do release é clara: “Leo Fressato é feito de flores e de veias saltadas no pescoço. (…) Suas músicas transitam entre o grito e o choro, passando por um leve sorriso”. Formado em Artes Cênicas, faz questão de incorporar o lado teatral às suas composições e apresentações performáticas.

É interessante falar do álbum “Canções para o inverno passar depressa” justo na semana que o verão começou. Um verão que começa um bocado estranho, com uma chuvinha friorenta e persistente, assim como histórias de amores que já foram, mais ficam. Na falta ou abundância, o amor enche o disco até transbordar e nos faz seguir o caminho inverso. Internalizando a poesia de Fressato,  encontramos encaixes dentro de nossos próprios amores e desamores, buscando, quem sabe, a saída para o nosso próprio inverno. É hora de veranizar.

Ouça “Veranizar”:

Armazém de Cultura: Você posta poesias com frequência na sua pagina, e a nosso ver, isso gera ainda mais identificação com seu publico que curte comenta e se aproxima ainda mais das suas ideias e pensamentos como artista. O que pensa sobre essa interação? Sobre as poesias, você já tinha essa ideia de postar para a pagina ou surge naturalmente, pela necessidade de escrever?

Leo Fressato: Acho que a interação é fundamental. Vivemos no tempo da interatividade, da aproximação do artista e público. Nada mais natural do que eu como artista me comunicar com este público. As “pílulas poéticas” que surgem na minha página são puramente  naturais. Abro a página escrevo e posto (as vezes até escapa um erro de português). Acho que ali é o lugar onde esse fluxo pode aparecer livre e sincero. É um jeito de deixar as coisas mais humanas.

Leo Face

AC: Ter feito faculdade de Artes Cênicas influencia muito seu trabalho como músico? Que outras manifestações artísticas são inspiradoras para você?

Leo: Sem dúvida nenhuma. Minha música é completamente definida pelo discurso. A musicalidade em si, é só um apêndice, uma ferramenta, que auxilia este discurso “dramatúrgico” a ganhar potência. Acho que, seja na arte ou na vida, tudo que me toca o coração é inspirador pra mim.

AC: Em entrevista com a Ana Larousse, ao perguntar da parceria de vocês ela conta que “o Leo me inspira, principalmente, pela leveza e facilidade com que ele compõe. Ele faz compor parecer uma brincadeira despretensiosa”. Poderia contar um pouco como é esse processo de composição?

Leo: O processo criativo parte muito das vivências que tenho. Crio a partir do que vejo e sinto. Tratando as informações como peças teatrais. Normalmente crio a a partir de fluxos emocionais gerados pelas coisas que vejo no mundo. Histórias de amor ou de dor.

AC: Ainda falando sobre a Ana, essa proximidade musical de vocês gera uma influência mútua?

Leo: Com certeza. Somos parceiros e amigos! É impossível que nossas artes nãos e influenciem.

Ouça “Nesse apartamento”, com participação de Ana Larousse:

AC: Pensando que cada interprete coloca uma carga de subjetividade diferente ao cantar, como é ver suas canções gravadas e/ou interpretadas por outros artistas?

Leo: Acho ótimo sempre. Mesmo quando não gosto da versão. Porque acho que todo olhar diferente sobre a minha obra, ao tocar-me, enriquece-me como artista. Mesmo que eu não goste da versão. Ela me toca, me estimula e me faz repensar a canção.

AC: Falando sobre o disco, você também disponibilizou para download gratuitamente. A Internet está mudando a forma de se divulgar e consumir musica? Como isso afeta o trabalho do artista?

Leo: Isso ajuda na ideia de difusão. Mas abriga o artista a buscar novas formas de se capitalizar, que não a de venda da obra.

Foto: Página do artista

Foto: Página do artista

AC: Suas músicas criam cenários automaticamente na cabeça de quem escuta e por isso seus clipes são muito intensos e bem produzidos. Como foi fazê-los? tem planos para mais algum clipe do disco?

Leo: Fazê-los é sempre uma descoberta, já que não sei muito sobre as possibilidades do vídeo enquanto linguagem. Mas como tenho gente legal comigo nessas empreitadas é sempre delicioso.  Espero gravar algum clipe logo… mas no fim das contas não tenho nenhum plano.

AC: Para terminar, tem planos para se apresentar em São Paulo em breve?

Leo: Estou num processo profundo de um espetáculo teatral, o que tem dificultado as estadas fora de Curitiba por hora. Mas para inicio de 2015 temos novidades e São Paulo é um dos lugares pelos quais iremos passar.

Ouça “Enquanto eu não”:

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s