Abre Aspas / Aniversário de São Paulo / entrevista / Especial Aniversário de São Paulo / Uncategorized

SP Invisível: Transformando o ‘outro’ em ‘próximo’

não existe amor em SP

*Por Meiri Farias

“Nenhuma pessoa é invisível, mas sim suas histórias e tudo o que há dentro delas”, explica Vinícius Lima do SP Invisível. O movimento divulga histórias de pessoas em situação de rua, propondo um olhar mais humano que possibilite uma relação mais horizontal com essa população, geralmente estigmatizada e esquecida pelo paulistano. “Queremos fazer com que o ‘outro’ vire o ‘próximo’, o outro não é problema meu, o próximo sim”, conclui Vinícius.

Fonte especial Sp

 

 

Armazém de Cultura: O que é ser invisível em uma cidade como São Paulo?

Vinícius Lima: Ser Invisível é ter toda a sua história, seus direitos, suas qualidades e seus problemas negados por pessoas, empresas e pelo Estado. Qualquer população que se enquadra nesse quadro, pode se considerar invisível.

1604726_640733566011315_593524728212022912_n

AC: Na descrição do site vocês escolhem o termo “movimento” em vez de projeto. Poderia explicar um pouco mais sobre essa escolha? Como o movimento começou?

Vinícius: O SP Invisível é um movimento porque é algo que está sempre acontecendo, um processo de conscientização, o véu da invisibilidade está sendo rasgado aos poucos. Depois que começamos, mais de 40 cidades já fazem isso também, a maior é o Rio Invisível depois de nós. Além disso, a história contada no SP Invisível faz com que as pessoas que a leram se sensibilizem e se mexam em direção ao próximo, já ouvimos casos de pessoas que saíram da rua depois que a história foi contada lá, pois tiveram uma oportunidade de emprego ou de moradia, até casos mais simples como “a pessoa que mora na esquina do meu trabalho, só comeu porque eu li uma história do SP Invisível antes”. Por isso é um movimento, é algo que acontece toda hora.

Não Existe Amor em SP

AC: Como acontece, na prática, a abordagem dos personagens para os relatos?

Vinícius: A abordagem é bem simples, é uma conversa bem clara, respeitosa, sentamos no chão, explicamos o projeto, pedimos pra gravar e tirar foto, no final a pessoa assina um termo de autorização.

Queria devolver pra São Paulo os filhos que ela rejeita

AC: Quando perceberam a necessidade de criar a versão em inglês da página? Como está sendo a repercussão?

Vinícius:  A versão em inglês veio de uma necessidade de expandir para outras pessoas que não são daqui a ideia de que existe uma outra São Paulo, mas ela está parada, pois acreditamos que ainda tem muita gente no Brasil mesmo que ainda não viu essa São Paulo e aí queremos investir na versão em português mesmo, vem vídeo e livro por aí.

AC: Para o dia 25, que presente você gostaria de poder dar para São Paulo?

Vinícius: Queria devolver pra São Paulo os filhos que ela rejeita.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s