Dica de segunda

Dica de Segunda: Recorte! (Talita Guimarães)

*Por Beatriz FariasSem Título-1

Após diversas semanas de ausências textuais e do questionamento da razão de prosseguir tentando, eis que o cursor das coisas se ajustam ao apresentar o motivo desta segunda tipicamente paulista. A razão que sem rodeios é “Recorte!” vem, amigo leitor, com o perdão do clichê, explicada em forma da canção abaixo.

Recorte é uma palavra feito ninho, repleta de espaços por onde adentramos nas possibilidades de significados. Para além do que fazemos com uma tesoura, recortar é saber olhar. O fotografo capturou o momento, o desenhista sequestrou as formas em uma folha e o escritor fez caber vida no silencio de uma pagina em branco. Todos brincando com a capacidade de recortar o tempo. O livro de hoje abriga essa possibilidade com a tranquila precisão de flanar pela cidade, se trata do “instante fugaz em que o trivial se torna crucial. ou quando a intensidade da vida te acerta com tal violência (e) ou doçura que a única saída é correr sobre o papel.” (trecho retirado do prefácio do livro, feito por Meiri Farias).

Talita Guimarães tem 26 anos é maranhense, autora do livro infanto-juvenil “Vila Tulipa”, editora do blog Ensaios em Foco e seu mais novo trabalho é Recorte!. Na corda bamba entre a necessidade da palavra e compromisso com a realidade, Talita é “uma jornalista do essencial” (expressão Meiri Farias) enquanto é também escritora das importâncias diárias e despercebidas.

ff

O primeiro recorte, como conta Talita, surge assim. A primeira percepção da força cotidiana abre os olhos para compreender que há vida no que de tão comum empoeirou nossa retina. Agora com os sentidos aguçados é possível, além de extrair do que de fora se absorve, entender e traspor pensamentos e casos da infância, tudo envolto de ternura mas com uma lente para a realidade que vem de um propósito: a dor precisa ser sentida porém não se trata de romanceá-la, é deixar que faça o que precisa em nós, sem apreciá-la, apenas agindo por sua significação.

65033b21-c5c2-42f5-9473-d6388e0ef1b1

Em meio a mecanização das nossas atividades, em que tendenciados a realizar as mesmas tarefas da mesma forma, somos levados a agir no mundo com semelhante descaso, Recorte! aparece como produto de resistência. Em um momento que consideramos o falar mais importante que ouvir, é revolucionário o gesto de continuar sensível ao que nos acerca. A sensibilidade da aceitação em saber que talvez não seja possível alterar o cotidiano (todo dia eu vou precisar pegar esse ônibus que me leva para o esse mesmo lugar…) mas a forma com que nos colocamos nele é escolha intransferível de nossas inquietações e disposição de ver poesia no que já soou tão banal que ninguém se deu ao trabalho de observar.

A identificação ao ler é muito possível, não apenas porque todos estamos inseridos nesse contexto de dia a dia – ainda que com funções diferentes -, mas porque a bagagem que cada um carrega é memória dos pequeno milagres que nos cercam despercebidamente, então o livro suscita o equilíbrio de acolher o cotidiano com todas as lindezas e feiuras que ele propõe. Bem como Amélie (do filme “O Fabuloso destino de Amélie Poulain”), que ao ajudar o cego a conhecer as ruas pelo sentido, entende de si o tipo de vida que quer levar. Muito do que conhecemos em nós está na forma que decidimos mostrar o mundo para os outros, e é aí que dá vontade de recortar também.

Copy of Entrevistas

Em uma das rodas de conversa do lançamento do livro em São Paulo, Talita afirmou que escreve “para ver que aquilo existe”. A afirmação responde o que está no meio entre a responsabilidade jornalística (que ainda que comentando não ter se dado para escrever o livro, está na qualidade profissional de conduzir a narrativa) e o descompromisso do observador, porque ter “um olho no microscópio e outro olho no telescópio” (referência a uma jornalista comentando sobre Eduardo Galeano) é coisa de quem escancarou a janela de si, e então podemos ver suas paisagens e avistar – como que por meio de seu ‘oclinho’ redondo a lá Raul Seixas – a sinceridade do mundo.

A gente é feliz é nos intervalos, mesmo. Mas se for pensar em todos os intervalos em que já foi feliz, descobre uma vida iE foi aí, nesse intervalo entre não ter o que passar no papel e um mar de pequenas descrições que me vem um recorte pessoal: o da presença. Chegando no final da Dica, eis que me dou conta que não contei do encontro com o livro, como normalmente faço. Talvez não caiba mesmo neste momento, mas é importante saber que é resultado de vários miúdos “nós”, pequenas junções de vontades e uma explicação que Achiles Neto fez em uma canção definindo o amor e aqui utilizo por querer dizer claramente a sua não limitação: “amor é sorte de encontrar”. A música que se chama Corte e Costura intera a presença que ainda que um pouco borrada pelos dias passados, não perde a grandeza dos detalhes. Se trata de dar importância e saber o tamanho do afeto, para o livro, as amizades e o resto da vida.

Recorte! é, para você que está descobrindo agora ou que já pela curiosidade de tê-lo mergulhado, hoje chega aqui: o olhar de espanto e grandiosidade de quem soube usar “as armas de colorir” e por isso agora pode deixar na gente as marcas de um recorte bem contado que a vida deu de presente ou porrada na cara.

826dd7ab-41e9-4224-9b10-ca86064224af

*Talita Guimarães está em uma nova fase dos recortes, apresentando inéditos toda quinta-feira neste garboso espaço chamado Armazém de Cultura. Confira aqui!

*Os trechos destacados nas imagens são excertos do livro “Recorte!” (Pod Editora, 2016)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s