1 Resenha Por Dia / hq / quadrinhos / Questão de Opinião / resenha / Uncategorized

1ResenhaPorDia: Duotone (Vitor Cafaggi)

6


*Por Meiri Farias

Quando tinha seis anos deixei São Paulo com destino a uma cidadezinha do interior de Alagoas. Os meus prédios cinzas deram lugar a uma vizinhança ensolarada com ruas de barro e carinho de vó a disposição. Lembro de estar animada com a mudança (“vou ter um quarto só para mim em uma casinha com telhadinho como vemos nos filmes!”) Mas senti, talvez pela primeira vez, o desconforto dos sentimentos dúbios: estava deixando minhas amiguinhas da escola. Estava deixando Tata, cachorra do meu tio que cresceu juntinho comigo. Estava deixando o meu quintal de brincar e brigar com as minhas primas. Estava deixando a rua onde morei desde que nasci.

duotone

Tim, personagem da singela HQ Duotone do Vitor Cafaggi, faz o caminho inverso, deixando o sítio com destino a cidade grande. Muito mais que sua casa, Tim se vê abandonando um pedaço de sua infância. Suas histórias e aventuras tão reais quanto sua imaginação permitia. Embora a pequena Meiri de dezesseis anos atrás tenha retornado logo (não sem alguns conflitos internos doloridíssimos), a identificação com o personagem de Cafaggi foi muito real, o menino Tim também tinha uma Tatá para abandonar e esse é o quadro mais triste da história: é muito difícil não se sentir como o garotinho ao dizer adeus ao senhor Lobo.

Vitor Cafaggi tem um talento muito eficaz em despertar nostalgia. Desde suas cores até o desenrolar de suas histórias, suas HQs lembram os filmes de aventura que nós, crianças da década de 90 (ou 80) crescemos assistindo. E é por isso que é tão fácil se encher de identificação por seus personagens. Duotone ainda conta com outra história curtinha (cheia de aventuras com monstros e robôs gigantes!), do garoto Yoshio mas é impossível não escolher Tim como protagonista dessa resenha.prev_duotone_1yoshi-duotone

Duotone é uma HQ breve, mas com uma capacidade de despertar uma ternura imensa. Com poucos diálogos, a proposta e deixar-se levar pelo ritmo delicado e inteligente dos quadrinhos do Cafaggi. Uma das características mais marcantes da obra do quadrinista mineiro é justamente apresentar a infância com sua doçura, mas também com seus conflitos (Lições mostra lindamente essa melancolia), e Tim e Yoshio estão aí ilustrando bem essa situação, como afinal, até mesmo quando somos crianças, tudo tem dois tons.


 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s