Dica de segunda

10 poetas brasileiras que precisamos conhecer

Logo Dica de Segunda.png

*Por Beatriz Farias
Você vai me dizer que a luta pela mulher é diária, e o respeito não deve depender de um dia. Eu vou dizer que você está certa. Mas ainda assim, com uma sociedade desigual e que ameaça constantemente retroceder, é importante uma data que relembre intensamente o que foi necessário para chegar até onde estamos e tudo que ainda falta. 8 de março é essa data. Visto isso, o Armazém se dedica este mês a uma programação especial que fortaleça as mulheres que produzem arte no nosso país e afora, e como a Dica de Segunda não poderia ficar de fora, toda semana Beatriz Farias comenta uma artista (nos mais diversos aspectos da palavra) que vale a pena ter seu trabalho reconhecido.

grande.png

Na Dica de Segunda da semana passada abri os trabalhos do mês falando da poeta Matilde Campilho. Ao terminar o texto, porém, descobri que a necessidade de seguir falando das mulheres que circulam no meio poético ainda se faz importante. É por essa razão que o convite dessa semana permanece voltado a essa questão, mas principalmente ao requerimento de abrir os olhos para a produção da mulher, múltipla, para todos os gostos e de todas as idades, que fortalecem a produção nacional atualmente.


-ANGÉLICA FREITAS
Angélica nasceu em 1973, em Pelotas. Participa da edição da revista de poesia contemporânea “Modo de usar & Co.”, publicou em 2007 seu primeiro livro “Rilke e Shake”, e em 2012 “Um útero é do tamanho de um punho”.

eu durmo comigo
eu durmo comigo/ deitada de bruços eu durmo comigo/ virada pra direita eu durmo comigo/ eu durmo comigo abraçada comigo/ não há noite tão longa em que não durmo comigo/ como um trovador agarrado ao alaúde eu durmo comigo/ eu durmo comigo debaixo da noite estrelada/ eu durmo comigo enquanto os outros fazem aniversário/ eu durmo comigo às vezes de óculos/ e mesmo no escuro sei que estou dormindo comigo/ e quem quiser dormir comigo vai ter que dormir do meu lado.
livro “Um útero é do tamanho de um punho”


-MARIA REZENDE
Maria é poeta, performer, montadora de cinema e televisão e curiosamente celebra casamentos. Publicou três livros: Substantivo Feminino (2003), Bendita Palavra (2008) e Carne do Umbigo (2015).

ouça o poema “se regozijando na calma”:


-ALICE RUIZ
A poeta curitibana que já ganhou inúmeros prêmios literários é professora de haikai, faz letras de músicas, tem CD’s publicados e 14 livros lançados (dentre eles livros de poesia e tradução), além de um livro da UFPR a respeito de sua pessoa.

na esquina da consolação
com a paulista
virei artista
equilibrista
meio mãe
meio menina
meio meia-noite
meio inteira
inteiramente alheia
toda lua cheia
livro “dois em um”, 2012


-REGINA AZEVEDO
Regina nasceu em 2000, em Natal. A poeta já realizou diversos trabalhos em festivais, curadorias, entre outros. Seus livros publicados são: “Das vezes que morri em você” (2013), “Candura” (2014), “Por isso eu amo em azul intenso” (2015), “Carcaça” (2015) e agora se prepara para lançar “Pirueta”.

ouça o poema “medindo azul”


-ANA MARTINS MARQUES
A poeta nasceu em Belo Horizonte, em 1977. Formada em Letras, é mestra em Literatura Brasileira e doutoranda em Literatura Comparada. Em 2007, ganhou o Prêmio Cidade de Belo Horizonte, na categoria “Poesia — autor estreante”, e, em 2008, recebeu novamente o mesmo prêmio, na categoria “Poesia”.

Da arte das armadilhas
O seu corpo para o meu:
seta,
precisamente

Inaudível
o mundo mudo
aciona o fecho
da flor

Há desilusão
mas não há
fuga

O caçador está preso
livro “Da arte das armadilhas”, 2011.


-CLARICE FREIRE
Clarice nasce no Recife, em 1988. A publicitária e redatora criou em 2011 uma página no Facebook para publicar seus poemas, intitulada “Pó de Lua”. De lá pra cá, lançou dois livros pela editora Intrínseca: Pó de lua (2014 ) e Pó de lua: nas noites em claro (2016).

11905805_882624291818089_5905305211450210543_n.jpg


-KARINA BUHR
Karina Buhr nasceu em Salvador, em 1974. Cantora, compositora e percussionista, foi integrante do Teatro Oficina. Lançou “Eu menti pra você”, “Longe de onde” e “Selvática”, seus discos autorais. Ilustra e escreve desde 2012 uma coluna na Revista da Cultura. “Desperdiçando rima” é seu livro de estreia.

A marca que o caminho deixa, aquela que é devagar, de pedra e terra também,
de sangue e choro gritado, que deixa surdo de tão alto.
E a terra do índio espera que demarquem ela.
Mas antes era só ela.
“Terra do índio” era pleonasmo.
livro “Desperdiçando rima”, 2015


-SIMONE DE ANDRADE NEVES
A poeta mineira nasceu em 1974. Seu primeiro livro de poemas e textos, “O coração como engrenagem”, publicou aos dezenove anos. Simone tem publicações em diversas revistas e foi convidada de alguns projetos também, como Arte no ônibus (2006) e Pelada poética (2010). Em 2015 lançou “Corpos em Marcha”, seu segundo livro de poemas.

Tracionada a ferrugem dos ferrolhos
reage ao sol
e rescende o cheiro dos carvalhos
no escorrer das ocras:
o ferro a menstruar no tempo.

Transversa
a luz revela o desenho das teias:
colcha prateada de neurônios
– esses nervos da vida.

Firmes ali sem mais estar
mãos invisíveis no ensaio do tear.
livro “Corpos em marcha”, 2015


-ALICE SANT’ANNA
A carioca nasceu em 1988. Graduada em Jornalismo, tem pós graduação em Letras e mestrado em Literatura, Cultura e Contemporaneidade. Seus livros são: “Dobradura” (2008), “Pingue-pongue” (2012), “Rabo de baleia” (2013) e “Pé do ouvido” (2016).

um enorme rabo de baleia
cruzaria a sala nesse momento
sem barulho algum o bicho
afundaria nas tábuas corridas
e sumiria sem que percebêssemos
no sofá a falta de assunto
o que eu queria mas não te conto
é abraçar a baleia mergulhar com ela
sinto um tédio pavoroso desses dias
de água parada acumulando mosquito
apesar da agitação dos dias
da exaustão dos dias
o corpo que chega exausto em casa
com a mão esticada em busca
de um copo d’água
a urgência de seguir para uma terça
ou quarta boia e a vontade
é de abraçar um enorme
rabo de baleia seguir com ela
livro “Rabo de baleia”, 2013


-ELISA LUCINDA
Elisa é poeta, atriz, jornalista e cantora. A multi-artista premiada nas diversas áreas em que trabalhou, é conhecida por seus papeis na televisão e cinema. Como poeta, lançou CD’s de poesias e diversos livros a respeito.

ouça o poema “Só de sacanagem”:


Assinatura Beatriz

Beatriz Farias: Tumblr | Instagram

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s