Abre Aspas

Lulinha, Maestrinho e Dominguinhos em ToCantE

Logo Abre Aspas

*Por Meiri Farias

Em comum a sanfona e o Nordeste, Lulinha Alencar e Maestrinho fazem em “ToCantE” uma homenagem a Dominguinhos. Com composições autorais dedicadas ao mestre, mais versões do próprio homenageado, o disco foi lançado pela gravadora Núcleo Contemporâneo

“O trabalho de Dominguinhos é fundamental para todos, e para sanfoneiro é essência”, contam em entrevista para o Armazém. “Se um sanfoneiro não teve a oportunidade de estudar música, ele pode encontrar na obra de Domingos todas as etapas necessárias até a mais alta graduação”. Confira a entrevista completa!

Foto José de Holanda

Foto: José de Holanda

Armazém de Cultura: ToCantE traz três partes diferentes do Nordeste, o Rio Grande do Norte do Lulinha, Sergipe do Maestrinho e Pernambuco do Dominguinhos. Como foi esse encontro de vocês e o surgimento da ideia para essa homenagem?

ToCantE: Apesar dos três serem de regiões do NE, só tive contato pessoal com os dois aqui na capital paulista, primeiro o Dominguinhos depois o Mestrinho (e não maestrinho).

O primeiro encontro com Dominguinhos lembro-me que foi em um concerto no memorial da América Latina no início desse século e Mestrinho dez anos mais tarde e quis o destino que nos conhecêssemos em um show do próprio Dominguinhos.
Depois de ambos conviverem de perto com Domingos e após ele nos deixar em 2013 convidei o Mestrinho para participar de um concerto chamado “Cem Gonzaga” nome do meu primeiro disco solo, também uma homenagem a um sanfoneiro, dessa vez o pai de todos, Luiz Gonzaga. Nessa ocasião além de Gonzaga tocamos músicas de Domingos e sugeri a ele que fizéssemos um disco em homenagem a Dominguinhos, agora, dois anos depois desse encontro nasce o “ToCantE”.

1

AC: O disco homenageia não apenas Dominguinhos, mas a próprio instrumento, em uma espécie de reverência a sanfona. Qual foi o primeiro contato de vocês com o instrumento?

ToCantE: Sim, o disco é composto de homenagens, não só as nossas músicas feitas para ele, mas também músicas dele feita pra outros nomes que ele certa mente admirava e sendo assim homenageamos indiretamente, Pixinguinha, Jackson do Pandeiro, Chiquinho do Acordeon. A sanfona já foi um instrumento ameaçado de extinção por aqui, embora não acredite mais que isso volte ou venha acontecer fazemos a nossa parte, a de manter viva a arte de tocar sanfona, que no nosso caso foi uma herança paterna já que ambos temos pais sanfoneiros e que certamente em nosso nascimento devem ter feito uma festança regada a muita sanfona, ainda mais quando um deles nasce no mesmo dia em que nasceu Luiz Gonzaga que é o meu caso.

AC: E o trabalho do Dominguinhos? como chegou até vocês e como influenciou as carreiras individualmente?

ToCantE: Bom, o trabalho de Dominguinhos é fundamental para todos, e para um sanfoneiro é essência. Costumo dizer que se um sanfoneiro não teve a oportunidade ou por opção não quis estudar música, ele pode encontrar na obra de Domingos todas as etapas necessárias para uma formação até a mais alta graduação. A influência de Dominguinhos é notável na maioria dos sanfoneiros mas precisamos manter a mente e ouvidos abertos para a música de todo o mundo pois só assim penso que podemos ser menos influenciados e ter mais identidade.

2

AC: Contem um pouco sobre a elaboração do projeto! Como foi a escolha do repertório, desde as canções autorais, as canções do Dominguinhos, até a participação do acordeonista francês Richard Galliano.

ToCantE: O projeto teve o envolvimento de pessoas que sem elas certamente seria mais difícil esse trabalho brotar, entre elas estão Adonias Jr. do Estúdio Arsis onde gravamos o disco, as lindas fotos (exceto a de Dominguinhos por Ding Musa) do José de Holanda incluindo a capa, além de toda a equipe do Núcleo Contemporâneo. Fazer a arte gráfica também foi um desafio para mim. O repertório não foi difícil de escolher, pois a idéia era, músicas nossas em sua homenagem e músicas dele homenageando alguém. Mestrinho me disse que quase todas suas composições eram dedicadas ao mestre, eu tinha mais duas, então ficou fácil. Além das nossas ainda tem a música e participação do Richard Galliano que pouco tempo depois que soube do falecimento de Domingos me enviou “Ciao São Paulo” dizendo que havia feito dedicada a ele, sabendo disso três anos depois perguntei para ele se poderíamos gravar e a resposta vocês escutam na faixa que fecha o album “ToCantE”

AC: Quais as expectativas para o lançamento em do disco no SESC Pompeia?

ToCantE: A expectativa é sempre a melhor possível, feliz nós estamos de poder mostra essa música para as pessoa. Se descermos do palco ao final e encontrarmos pessoas felizes ná platéia, pronto, terá sido realmente “ToCantE” pra elas também!

Confira ToCantE:

 


Perfil Meiri

Meiri Farias: Portfólio | Instagram | Twitter

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s