1 Resenha Por Dia

O melhor que poderíamos fazer (Thi Bui)

*Por Meiri Farias

5.png

Sempre acreditei que biografia é um gênero superestimado, mas não no quadrinho. Muito em função das características próprias da mídia, a arte sequencial permite retratar personalidades de modo mais íntimo e concreto do que na prosa. Persépolis, Maus e Retalhos são algumas das obras que já se tornaram clássicos para os leitores de HQ e se usam de narrativas autobiográficas. Além disso, esses exemplos trazem uma característica em comum que é o grande trunfo de “O melhor que poderíamos fazer”: a contextualização histórica de determinado período social/ou político, onde o autor ou sua família estão inseridos.

“O melhor que poderíamos fazer” é um daqueles quadrinhos que fisgou pelo título. Em tempos de desgaste do corpo e da mente, a mensagem de capa da HQ da vietnamita Thi Bui parece um consolo e uma absolvição de nossos próprios dilemas. Comprei sem conhecer a autora, sem saber muito sobre a temática, mas apostando na mensagem da capa que sugere desde o início uma sensação melancólica de aceitação.

FFE1BE54-ED63-4108-A2C5-0A989C26B44E.jpeg

Thi Bui conta a jornada de sua família que precisou se deslocar em busca de abrigo depois da queda do Vietnã do Sul. A busca por uma vida melhor e a possiblidade de um futuro digno, deixaram marcas nas relações familiares e a HQ é um resgate histórico e pessoal para autora, que passa a entender a si mesma, quando começa a conhecer em profundidade a história pregressa de seus pais. O tom melancólico da narrativa ganha ênfase com o traço delicado de Bui contrastado com os tons terrosos que acompanham toda a historia.

É curioso como é fácil se envolver com a narrativa, mesmo se tratando de um contexto completamente diverso do que vivemos no Brasil. Ainda assim, acompanhar o drama de refugiados e descobrir junto com a autora o que levou a família a desenvolver determinados comportamentos, gera um tipo de identificação muito profunda em qualquer pessoa que vem de família migrante. É natural julgar as atitudes inadequadas de Bô ou a estranha frieza de Má (pais da autora/personagem) nos primeiro capítulos e sentir as certezas e julgamentos sólidos derreterem cada vez que entramos mais profundamente em seus passados.

O melhor que poderíamos fazer

“O melhor que poderíamos fazer” é uma história triste, com uma pitada de esperança. Porque mais forte e significativo que a certeza, é a coragem de aceitar e lidar com o caminho permitido pelas circunstâncias. E se orgulhar de ter feito o melhor possível.

Título: O melhor que poderíamos fazer

Autora: Thi Bui

Publicão: Editora Nemo

Ano: 2017

Avaliação:

Untitled design (9) ¹/²


Perfil Meiri

Meiri Farias: Portfólio | Instagram | Twitter

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s